PROJETO INCLUSIVO

    Facilmente identificável na precariedade das vias públicas, a questão da acessibilidade demanda detalhamento absoluto de projetos e execução.

    Incremento de, no máximo, 1% no valor final da Obra. Exigência por atenção absoluta a detalhes, mas sem relevantes alterações técnicas no projeto ou execução. Essas são todas as mudanças essências para conceber uma edificação universalmente acessível.
    É indispensável conhecer as necessidades dos usuários, mas o conhecimento para a execução toma como base muito mais o bom senso do que a pesquisa acadêmica ou a experiência prática.
    A NBR 9050 (Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos), traz números e dados, que referenciam os projetistas nos mais diversos aspectos da acessibilidade.
    Mesmo que não faça parte da estratégia de Markenting empresarial focar a questão social, construir visando o acesso universal torna também mais fácil a vida de quem é plenamente dotado das capacidades físicas e mentais. É o que diz a norma, que “visa proporcionar à maior quantidade de pessoas a utilização de maneira autônoma e segura do ambiente, edificações, mobiliário, equipamentos urbanos e elementos”.
    E mais: aumenta a flexibilidade da construção, pois torna menos difícil a tarefa de adaptar os ambientes no caso de ocupações futuras. A adequação de edifícios existentes é uma das maiores dificuldades no caminho da acessibilidade, tanto no que se refere à técnica quanto no que diz respeito aos custos. Isso porque raramente o projeto original prevê ou conta com espaço suficiente para a construção de novos acessos.
Um dos pontos-chaves da acessibilidade é a utilização correta de medidas especiais. Daí a necessidade de as portas terem largura mínima de 0,80m e os comandos, como interruptores, situarem-se na faixa de altura entre 0,40 e 1,20m. Da mesma maneira, tomadas não podem ser localizadas muito próximas ao chão. Dessa forma, a largura de corredores deve ter, no mínimo, 0,90m quando a extensão for de até 4m. Extensões superiores exigem larguras maiores, chegando a 1,5m para comprimentos acima de 10m ou no caso de uso público.

Revista Téchne, Edição 113 ano 14, agosto de 2006